Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Mais resultados...

Linux

Netflix nativo no Linux sem plugins

Hoje, dia 10/8/2014, meu amigo Bruno Gonçalves me passou um link do phoronix.com dizendo que agora era possível rodar o Netflix no Linux nativamente direto do Google Chrome 38, pois já tinham inserido o DRM para rodar sobre o HTML5. O Bruno que faz parte do projeto União Livre, também Leia mais…

Por Tales, atrás
Linux

Netflix nativo no Linux sem plugins

Hoje, dia 10/8/2014, meu amigo Bruno Gonçalves me passou um link do phoronix.com dizendo que agora era possível rodar o Netflix no Linux nativamente direto do Google Chrome 38, pois já tinham inserido o DRM para rodar sobre o HTML5. O Bruno que faz parte do projeto União Livre, também Leia mais…

Por Tales, atrás
Linux

Netflix/Pipelight para Sabayon

Muitos de vocês já sabem que sou usuário do Sabayon. Porém poucos sabem que ainda não é possível, ao menos de forma “oficial”, rodar o Netflix no Sabayon. Conversando com os desenvolvedores do Pipelight, tive ajuda para compilar manualmente o Wine e o Pipelight, posso dizer que agora o Netflix Leia mais…

Por Tales, atrás
Linux

Portage e Entropy trabalhando em sintonia

Esses dias convenci um amigo, Adriano Moura, a experimentar a distro Linux Sabayon, que curtiu muito! Uma distro – na minha opinião – ótima, baseada no Gentoo, porém utiliza pacotes compilados e possui toda uma estrutura bem robusta para alimentá-lo e um ótimo gerenciador de pacotes chamado Entropy. É uma Leia mais…

Por Tales, atrás
Linux

Dica: Sincronizar qualquer pasta do sistema no Dropbox

Dropbox é um serviço disponibilizado para a sincronização e o compartilhamento de arquivos entre vários dispositivos e com várias pessoas. Os arquivos ficam todos sincronizados em nuvem – na internet. Dessa maneira, se você tem um smartphone, notebook, tablet… e possui o Dropbox instalado em todos os aparelhos, então seus Leia mais…

Por Tales, atrás
Linux

Pipelight – Rodando Silverlight em browsers nativos do Linux

Depois do sucesso em que um grupo de entusiastas conseguiram rodar o Netlix no Ubuntu através de customizações nas configurações do Wine, em que utiliza-se uma junção do Firefox para Windows junto com o Silverlight – programa responsável pela reprodução dos vídeos da empresa Netflix para a plataforma desktop –, um outro projeto surgiu e muito mais interessante.

O projeto Pipelight propõe algo mais sério e mais interessante, a criação de uma biblioteca que proporciona rodar qualquer aplicação dependente do Silverlight. A grande procura e utilidade para esse projeto está na execução do Netflix diretamente nos browsers nativos para Linux.

De acordo com o projeto, o Pipelight consiste de duas partes: uma biblioteca Linux que é carregada no navegador e um aplicativo (pluginloader.exe) do Windows iniciado pelo Wine. Esse plugin simula um navegador e carrega as DLLs do Silverlight. Quando você abre uma página com um aplicativo Silverlight, a biblioteca Linux enviará todos os comandos para o navegador, proporcionando o funcionamento direto nos navegadores nativos para Linux.

O mais interessante é, que para o usuário tudo é feito de forma transparente, e o que acontece está na execução das aplicações no Silverlight como se estivesse no Windows, e o melhor, tudo de forma rápida e sem lag's.

(mais…)

Por Tales, atrás
Linux

Emulando o botão do meio no touchpad (estilo MacBook)

Uma coisa que sempre me agradou no GNU/Linux é a opção de poder selecionar um texto qualquer com o mouse e colocar o conteúdo selecionado com o botão do meio, do mouse. Isso facilita muito, pois você não precisa dar um [CTRL+C] para copiar o conteúdo selecionado e depois um [CTRL+V] para clocar o conteúdo; ou mesmo selecionar o conteúdo com o mouse, clicar com o botão direito e, em cima do conteúdo selecionado, escolher Copiar, em seguida ir aonde deseja, clicar com o botão direito e escolher a opção Colar. É claro que existem outros meios de fazer esse copiar e colocar, mas nada tão simples quanto selecionar o texto que deseja copiar, ir no local que deseja colar e clicar com o botão do meio do mouse, ou para os que possuem touchpad com botão, essa emulação é feita apertando os dois botões simultaneamente. Para os touchpads que não possuem botões físicos, como o meu, existe um programa (synclient) para configurar gestos, e normalmente é configurado para um toque no touchpad com três dedos.

Essa dica é válida para todos os computadores – notebooks e ultrabooks – que possuem um touchpad no estilo MacBook, o qual não apresenta botões físicos.

Nas distribuições Linux que não são derivadas do Ubuntu, você consegue realizar uma configuração “correta” do seu touchpad, inserindo informações em um arquivo texto que é colocado dentro do diretório /etc/X11/xorg.conf.d/. Porém o Ubuntu foge a essa regra e para os que conhecem essa distro, sabe que ele está cada vez mais se distanciando das demais, criando seus próprios aplicativos e configurações específicas, então, algo que era apara funcionar em qualquer distribuição Linux, acaba deixando a desejar no Ubuntu. (mais…)

Por Tales, atrás
Linux

Compartilhando o seu 3G no Linux em 2 passos

Essa simples dica pode ser feita em qualquer distribuição Linux, mas utilizei o Ubuntu que usa o NetworkManager para gerenciar suas conexões e é o jeito mais simples que tem para realizar tal procedimento.

O que estou propondo é utilizar a conexão que é recebida de um modem 3G, ser compartilhada com outros computadores que estão ao seu redor, localmente. Essa simples dica irá transformar o computador que está com modem 3G “virar um roteador”, para que assim os computadores a sua volta possam se conectar a esse que está com o modem 3G. È basicamente o que os smartphones com sistema operacional Android – dentre outros – fazem, quando se ativa o 3G e o roteador do celular. (mais…)

Por Tales, atrás
Diversos

Suporte Acer, um atestado de incompetência

No dia 30/4/2012 adquiri um Ultrabook Acer modelo S3-951 – cheguei até a escrever uma matéria sobre esse equipamento rodando a distribuição Linux Sabayon. Esse Ultrabook possui um disco SATA de 320GB e um “disco” SSD de 20GB. No dia 27/1/2013 o SSD, aonde eu tinha instalado o meu sistema root (Linux), parou de funcionar. Como o equipamento ainda está na garantia, entrei em contato com o suporte (0800 721 2237) da Acer e relatei o ocorrido. Também pedi para verificar um possível super aquecimento no lado superior esquerdo, que é aonde encontra-se a CPU e também fica próxima a bateria. Pedi que verificasse se a bateria estava OK.

O Suporte, atendente, da Acer enviou-me um e-mail com alguns anexos, os quais eu deveria imprimir, preencher e enviar junto com o equipamento através do correio (custos a serviço da Acer). Fiz todo o procedimento, além de ter informado o problema por telefone, também preenchi o que tinha ocorrido, de forma detalhada.

Hoje, dia 6/2/2013 o equipamento, Ultrabook, chegou a mim. Abri a caixa e comecei a ler o relatório sobre o que foi feito. Transcrevo abaixo o que eu havia informado e o que eles responderam:

Tales: “O “disco” SSD parou de funcionar. Verificar também super aquecimento no lado esquerdo e conferir se a bateria está OK”.

Acer: “equipamento analisado e constatado que o sistema está corrompido. Efetuado recovery do sistema. Testes dos dispositivos ok”.

O que a Acer fez foi instalar o Windows no HD SATA de 320GB e ignorar o SSD que não estava funcionando. Para um usuário leigo, que utiliza Windows, ia passar despercebido, pois o cliente teria o seu equipamento de volta funcionando “corretamente”, porém apenas o HD Sata está funcionando, o dispositivo de armazenamento SSD continua não sendo reconhecido pelo sistema, nem mesmo na BIOS.

Realmente eu não sei, mas o que consta pra mim é que o suporte da Acer possui um certificado estampado na testa de incompetência.

Deixo aqui a explicação para a equipe de suporte da Acer que não sabe o que significa um dispositivo de armazenamento SSD:

“SSD (sigla do inglês solid-state drive) ou unidade de estado sólido é um tipo de dispositivo sem partes móveis para armazenamento não volátil de dados digitais. Tipicamente, são construídos em torno de um circuito integrado semicondutor[1], o qual é responsável pelo armazenamento, diferentemente, portanto, dos sistemas magnéticos (como os HDs e fitas LTO) ou óticos (discos como CDs e DVDs).

Caso a equipe da Acer queira saber o que é um “disco” SSD, podem dar uma olhada nessa matéria aqui, e caso não saibam ler, não se preocupe, a matéria possui vídeos demostrativos. (mais…)

Por Tales, atrás
Linux

Baixando legendas direto do SMPlayer

Nos dias atuais está cada vez mais comum baixar vídeos diretamente da internet, o DVD está perdendo o seu espaço e até os computadores estão sendo construídos sem um drive, como os conhecidos Ultrabooks.

Hoje, trago-lhes uma dica de um amigo, Bruno Gonçalves, que é uma forma muito simples de baixar legendas, seja de um filme, um seriado, ou vídeo qualquer.

Hoje a maioria dos arquivos que são baixados, geralmente, possuem a legenda ou embutida ou em um arquivo separado com extensão .str junto ao filme, mas em outros casos você precisa baixar a legenda de algum site. Nós brasileiros usamos, geralmente, os sites: legendas.tv e opensubtitles.org. O SMPlayer baixa as legendas diretamente do site opensubtitles.org para o seu computador. Como ele faz isso? A pesquisa da legenda é feita em um hash que é calculado a partir do arquivo de vídeo. Não importa qual é o nome do arquivo ou se você tenha-o renomeado, ele encontrará as legendas certas para o seu arquivo. Com essa pesquisa, ele te mostra todas as legendas e linguagens compatíveis com o vídeo que está sendo executado. Dessa forma, basta apenas escolher a linguagem referente a legenda que deseja baixar, e com apenas um clique, a legenda será transferida da internet diretamente para o seu computador, dentro da pasta que encontra-se o arquivo de vídeo. (mais…)

Por Tales, atrás