LimõesPrimeiramente quero deixar claro que esse tratamento funcionou muito bem comigo, que tinha esofagite grau 2, refluxo e azia, proporcionando minha cura em aproximadamente 20 dias.

As pessoas que me conhecem sabem muito bem qual a minha opinião sobre a maioria dos médicos, aonde não há interesse algum em curar o paciente, mas mantê-lo sobre o seu controle com o único e exclusivo interesse de obter lucro.

Creio que não precisa ser um expert para saber que se há cura do paciente, o paciente não retorna mais ao médico e o dinheiro que o médico tanto contou para comprar uma casa nova, fazer viagens para o exterior, comprar roupas caras, ir e proporcionar festas luxuosas, será descartado. Por esse motivo, salva raríssimas exceções, médico em geral quer viver de uma sangria eterna com o seu paciente, sangria essa referente ao dinheiro que é adquirido quase de forma fixada em datas predestinadas, para suprir o status e o ego do médico em si.


A descoberta do meu problema

Eu sentia muita azia, tinha muito refluxo e sentia dores no peito muito fortes que geralmente vinham a noite, e por isso mal conseguia dormir.

Fui a um cardiologista e fiz todos exames possíveis e nada constou, até teste de esforço na esteira. Depois escolhi uma endocrinologista (Carla Maria Caffini) que nunca tinha ido. Disse a ela tudo que sentia e já foi me passado um exame de endoscopia.

Deixo na íntegra qual foi o a conclusão do exame: “Esofagite erosiva por refluxo grau 2 de Savary-Miller modificada, associada a esofagite edematosa

Retornado a médica, me receitou dois medicamentos, inicialmente, pois posteriormente me passaria medicamento contendo cortisona, dito por ela. Antes que ela me fizesse a receita, eu perguntei se algum dos medicamentos – um era o Motilium e o outro era Omeprazol – fazia mal para o fígado, ela disse que não. Digo isso pois nasci com deficiência no fígado e praticamente qualquer medicamento alopática me faz muito mal, frisei para ela várias vezes sobre o meu problema de fígado.

Comprei os medicamentos e tomei apenas 1 comprimido de cada, tive muita náusea, tonteira, mal conseguia parar em pé e senti muito, mas muito mal. Depois disso, esperei acalmar uma semana pra poder tentar conversar com a médica incompetente, essa deve se enquadrar ao tipo de médico que citei acima. Falo isso pois, a médica me passou uma tabela de alimentos para serem evitados e não cortados, ou seja, comer de vez em quando uma porcaria, voltar ao médico e com isso ele sempre lucrará. Da lista dos alimentos citados, eu não consumia quase nada, pouca coisa, como algum condimento e fritura as vezes. Lembrando que tomei apenas 2 comprimidos como dito acima e mais nenhum.

Ah sim, uma semana depois eu voltei ao consultório dela e ela mal me olhava nos olhos. Não gritei nem a xinguem, mas falei o quando ela era incompetente. Médico para mim não é deus, é um ser humano como outro qualquer e o fato de ser médico não o qualifica melhor ou pior do que ninguém.


A descoberta do tratamento natural

Comecei a pesquisar muito, ler, estudar, pesquisar muitos artigos científicos…
Abro uma ressalva aqui! A maioria dos médicos só porque fez um curso se acha “o foda”, o deus, o sabe tudo. O mais hilário é um médico virar e dizer, “ah, o paciente pesquisa algo na internet e acha que sabe tudo”, então deixo um aviso para todos os médicos: internet hoje é um mundo de informação, tem todos os livros que vocês, médicos, estudaram e muito mais, milhões de artigos científicos. Então um médico que diz algo assim provavelmente é um grande analfabeto e nem sabe do que se trata a internet. Claro que tem muita gente que assiste a um vídeo e se acha o sábio e quer impor o “conhecimento absoluto” para outras pessoas, mas esse não é o meu caso. Gosto de pesquisar e estudar, de querer aprender e conhecer sempre mais!

Foi em uma dessas descobertas que conheci os efeitos quase milagrosos do limão. Lembrando que o limão é ótimo para milhões de enfermidades, mas esse texto o foco será apenas a esofagite, o refluxo e a azia.

O limão é uma fruta cítrica, um pouco ácida em seu estado natural, mas o que poucos sabem é que o limão é extremamente alcalino em nosso organismo e só traz benefícios.

Para quem tiver curiosidade, deixo aqui o “desafio” de pesquisar os inúmeros benefícios proporcionados pelo limão e compartilhar aqui. Lembrando que existem centenas de artigos relacionados ao limão e a esofagite, refluxo e azia. Não irei ficar colocando vários citamentos aqui, mas pesquisam no Google acadêmico que irão encontrar muitas coisas.


O tratamento

Existem algumas variações desse tratamento, mas irei deixar aqui qual eu utilizei.

Obs.: Não estou especificando qual limão usar, mas eu utilizei o limão taiti, porém acho o limão rosa (capeta), melhor para o tratamento. Eu não tenho as especificações em ml do suco do limão, apesar de variar um pouco de tipos de limões, tente se basear pelo limão taiti que é o mais comum e o mais vendido.

Serão necessários ao todo 100 limões que serão consumidos em 19 dias. Deverão ser tomados em jejum pela manhã.

Obs.: Use um canudinho para beber o limão, é melhor e não fica pegando nos dentes o que não é muito legal.

 1º dia – esprema 1 limão e beba
 2º dia – esprema 2 limões e beba
 3º dia – esprema 3 limões e beba
 4º dia – esprema 4 limões e beba
 5º dia – esprema 5 limões e beba
 6º dia – esprema 6 limões e beba
 7º dia – esprema 7 limões e beba
 8º dia – esprema 8 limões e beba
 9º dia – esprema 9 limões e beba
 10º dia – esprema 10 limões e beba
 11º dia – esprema 9 limões e beba
 12º dia – esprema 8 limões e beba
 13º dia – esprema 7 limões e beba
 14º dia – esprema 6 limões e beba
 15º dia – esprema 5 limões e beba
 16º dia – esprema 4 limões e beba
 17º dia – esprema 3 limões e beba
 18º dia – esprema 2 limões e beba
 19º dia – esprema 1 limão e beba

Observações:

  1. Além do suco dos limões ingeridos em jejum, esprema 1 limão e tome antes das refeições principais. Aguarde 10 a 15 minutos para almoçar ou jantar.
  2. Caso você esteja tomando algum medicamento de bomba de prótons, NÃO deve ser iniciado o tratamento com limão. Primeiro deve-se parar de tomar os medicamentos, em seguida começar a tomar o suco de 1 limão + 150ml de água morna. Tomar em jejum durante 7 dias, para só daí iniciar o tratamento do limão citado acima.

Importante: Para que algumas dúvidas possam ser esclarecidas, é importante que leia o seguinte texto: Omeprazol, o preço que sua saúde paga ao utilizar esse remédio

 

Sobre o limão

Fonte: O poder de cura do limão (Conceição Trucom)


Conclusão

Além de fazer esse tratamento, cortei fritura e outras poucas coisas que ainda consumia. Também passei a me alimentar e só deitar depois de uma hora e meia a duas horas. Já tem anos que nunca mais tive azia, refluxo ou esofagite. Porém nada adianta fazer o tratamento, se curar e voltar a velha rotina de alimentação contendo porcarias.

Hoje em dia como, as vezes, ovo mexido no azeite de oliva ou óleo de coco, mas dou preferência por cozido. Cortei o chá mate, chá preto, e café nunca experimentei.

Observação: Após finalizar o tratamento, passe a ingerir toda manhã, em jejum, 1 limão espremido com 100ml de água morna.


Tratamentos complementares

Estarei explicando alguns tratamentos que podem e outros que devem ser implementados junto com o tratamento do limão.

  • Alimentação

Sem dúvida o quesito mais importante é a alimentação. Fazendo uma analogia com um automóvel que está com as peças deificadas, as mesmas são trocadas, e o automóvel volta a ter uma performasse ótima. Porém o automóvel é “alimentado” apenas com gasolina de péssima qualidade, o que irá acarretar um desgaste maior em suas peças que precisaram ser trocadas novamente.

Assim é o corpo humano, se nos alimentamos mal, teremos enfermidades, muitos problemas virão. Pode-se até curar, mas se os hábitos alimentares não mudarem, de nada adiantará.

Em vez de dizer o que deve ser comido ou não, já deixo a minha opinião que o ideal é ser vegetariano  – sem consumo de leite e derivados – ou vegano. Porém, deixarei a indicação de um documentário para que tirem suas próprias conclusões. Documentário: O Segredo da Sustentabilidade

  • Chá de gengibre

O chá de gengibre pode ser usado para tratar irritações, queimações no esôfago e garganta causados pelo refluxo. Tanto o ácido clorídrico (ácido do estômago) como arroto de gazes quentes, provocados pelo refluxo, prejudicam o esôfago e garganta. Causando dores, pigarros, entre outros sintomas. O Gengibre também é altamente cicatrizante.

Receita: Rale cerca de 1 colher de sopa de gengibre e coloque em uma xícara. Coloque água para ferver e quando estiver em fervura, despeje sobre a xícara e cubra, deixa infusão por 10 minutos. Coe e beba.

  • Gel de babosa (aloe vera)

A babosa é um ótimo remédio natural usado para proteger a parede do estômago, esôfago e garganta. Além de criar uma espécia de “blindagem” é cicatrizante.

Receita: Pegue uma folha de babosa mais antiga, no mínimo com 3 anos de idade. Lave bem a folha da babosa, corte no final e deixe por 10 minutos com a parte que foi cortada para baixo, para que saia um líquido amarelado. Esse líquido é altamente laxante e é usado como uma espécie de defesa para a planta. Após passar o tempo, corte nas laterais para remover os espinhos. Retire a parte de cima e de baixo, ficando apenas o gel que se encontra no centro da folha. Bata no liquidificador por alguns minutos. Coloque em um recipiente e espera por 10 minutos até que a espuma abaixe. Em seguida beba. O que sobrar pode ser tampado e guardado na geladeira. Pode-se acrescentar umas gotinhas de limão.