Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Mais resultados...

Existem basicamente três tipos de classificação de programas no Gentoo, que são: programas estáveis (+ stable) –passaram por uma bateria de testes e estão aptos a serem colocados em produção–, programas instáveis (~ unstable) –são considerados estáveis pelos seus desenvolvedores, mas não foram excessivamente testados pela equipe do Gentoo para serem liberados em produção– e por fim os programas “super instáveis” (M hardmask) –são pacotes que ou foram colocados no portage recentemente e não passaram para a fase de teste ou são pacotes que ainda estão em desenvolvimento e não existe previsão de sair uma versão final ou dezenas de outras possibilidades–. O interessante é entender que programas instáveis estão disponíveis para instalação, mas a equipe do Gentoo não recomenda a instalação dos mesmos, a não ser que você saiba o que está fazendo e entenda os riscos que está correndo.

Os programas que possuem versões que estão na fase de teste, são conhecidos com um til (~) na frente da versão, este til indica que o programa para o seu produtor foi considerado estável, mas para a equipe do Gentoo ainda está em teste e aguardando para que seja liberado na base de programas estáveis.

(Exemplo de um programa que possui versões instáveis(~), em fase de teste)

[I] kde-base/kdebase-meta
     Available versions:
        (4.3)   4.3.3 (~)4.3.4 4.3.5
        (4.4)   (~)4.4.0
        {aqua kdeprefix policykit semantic-desktop}
     Installed versions:  4.4.0(4.4)(21:30:36 10-02-2010)(-aqua -kdeprefix -policykit)
     Homepage:            http://www.kde.org/
     Description:         Merge this to pull in all kdebase-derived packages

Os programas que são considerados como super instáveis, são conhecidos com um [M] de mascarado, localizado na frente da versão. Os que apresentam 9999 são considerados mais instáveis.

(Exemplo de um programa que possui versão hardmask[M]~, super instáveis)

* www-client/chromium
     Available versions:  [M]~5.0.307.5 ~5.0.307.7 ~5.0.307.9 [M]~5.0.322.2 **9999 {ffmpeg plugins-symlink}
     Homepage:            http://chromium.org/
     Description:         Open-source version of Google Chrome web browser

Ambos os programas, (~)unstable e [M]~hardmask, não podem ser instalados se você estiver construído e ou utilizando o seu Gentoo em uma base estável. Esses programas possuem uma máscara que deverá ser removida para que a instalação do programa alvo possa ser concretizada. Existem várias maneiras de se fazer isso, manualmente ou utilizando ferramentas para auxílio. Estarei mostrando a ferramenta autounmask que faz praticamente todo o trabalho braçal para você.

Por que utilizar o autounmask?
Posso citar alguns motivos como, suprir dependências, organização dos arquivos, facilidade de uso etc.

Comece criando o diretório que irá armazenar os arquivos do autounmask e mais 3 arquivos que o autounmask irá utilizar para gravar algumas configurações, caso precise.

mkdir /etc/portage/package.keywords

(Todos os arquivos principais mascarados serão jogados para esse diretório criado, com o nome de autounmask-[nome do programa])

cd /etc/portage/ && touch package.mask; touch package.unmask; touch package.use

(Instalação do autounmask)

emerge -av autounmask

Tudo pronto e “configurado”, pois de configuração mesmo não teve nada. Agora o autounmask já pode ser utilizado. Veja um exemplo de como instalar um programa mascarado. Eu particularmente utilizo apenas de dois jeitos, com a opção -n(mantem sempre a última versão do programa, não precisando utilizar o autounmask quando sair uma nova versão) e sem opção, caso queira desmascarar apenas uma versão do programa e não as futuras. Um exemplo de utilizar sem a opção ‘-n’, seria a instalação de uma determinada versão do kernel.

Exemplo de instalação de um programa:

Primeiro, com o comando eix(o mesmo deve estar instalado), verifico se o programa está todo mascarado e se possui alguma versão que não esteja:

eix emesene
* net-im/emesene [1]
     Available versions:  ~1.6.0 {video}
     Homepage:            http://www.emesene.org
     Description:         Platform independent MSN Messenger client written in Python+GTK

[1] /usr/local/portage

Nota-se que o programa, emesene, só possui uma versão e está mascarada. Caso tente instalar esse programa, será avisado que o mesmo encontra-se mascarado e não poderá ser instalado até que sua máscara seja retirada.

emerge -av emesene

These are the packages that would be merged, in order:

Calculating dependencies... done!

!!! All ebuilds that could satisfy "net-im/emesene" have been masked.
!!! One of the following masked packages is required to complete your request:
- net-im/emesene-1.6.0 (masked by: ~amd64 keyword)

Como pode-se notar, o portage não deixou o programa ser instalado porque está mascarado, “dizendo” que todos os pacotes que poderiam satisfazem a dependência do programa que estamos tentando instalar, foi mascarado e “diz” que um dos programas mascarados(neste caso o próprio emesene) é necessário para completar a instalação. Basta então remover a mascara deste programa para prosseguir ou conseguir instalar tal programa mascarado. Para isso será utilizado o autounmask.

Utilização do autounmask:

autounmask [referência do programa]/programa-versão

(Sempre indique a versão que deseja desmascarar, como indicado abaixo)

autounmask -n net-im/emesene-1.6.0

 autounmask version 0.27 (using PortageXS-0.02.09 and portage-2.1.7.17)

 * Using repositories:
     /usr/portage

     /usr/local/portage

 * Using package.keywords file: /etc/portage/package.keywords/autounmask-emesene
 * Using package.unmask file: /etc/portage/package.unmask
 * Using package.use file: /etc/portage/package.use

 * Unmasking net-im/emesene-1.6.0 and its dependencies.. this might take a while..

 * Added 'net-im/emesene ~amd64' to /etc/portage/package.keywords/autounmask-emesene
 * done!

Como pode notar, o emesene foi adicionado com sucesso no diretório package.keyword, o qual foi criado anteriormente e adicionou as configurações de retirar a mascara do emesene, no arquivo “autounmask-emesene”. Se rodarmos novamente o comando emerge para a instalação do emesene, veja o que acontece!

emerge -av emesene

These are the packages that would be merged, in order:

Calculating dependencies... done!
[ebuild  N    ] net-im/emesene-1.6.0  USE="video" 0 kB [1]

Total: 1 package (1 new), Size of downloads: 0 kB
Portage tree and overlays:
 [0] /usr/portage
 [1] /usr/local/portage

Would you like to merge these packages? [Yes/No]

O programa encontra desmascarado e pronto para ser instalado.

Categorias: LinuxSoftware Livre