Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Mais resultados...

Antigamente, posso dizer que isso já faz algumas décadas, as pessoas eram mais íntimas uma das outras. O cumprimentar a pessoas conhecidas, ou mesmo desconhecidas, era algo mais intuitivo, normal, que fazia parte do viver de cada um. O que aos poucos foi se tornando cada vez mais distante, tornando o afeto por alguém algo raro e indisponível, individualizado para si. Este cumprimento, gesto de carinho e satisfação para com o outro, não regia apenas por um simples aperto de mão, o que nos dias de hoje está cada vez mais raro, mas era uma troca de sentimentos como um bom e forte abraço.

A sociedade atual está cada vez mais atolada num poço de stress, focada no tempo, que é milimetrado para as tarefas do dia a dia. Criou-se um paradigma em torno desse plano sentimental, recusando o afeto do próximo.

Hoje, se uma pessoa parar para cumprimentar um conhecido, oferecendo um abraço, alguns minutos de atenção, essa é taxada como doida, esquisita por estar, de certa forma, quebrando um padrão, que atualmente é de fechamento.

Por que o cumprimentar alguém desconhecido pode ser tão desconfortante, ou um abraço para aquele que não lhe é companheiro? Talvez esse seja um paradigma que está não só atrasando nossa sociedade, nossa evolução, mas reprimindo o sentimento para com os outros, tornando nosso poço cheio com um imenso vazio de repressão.

Categorias: DiversosRefletir